sexta-feira, 6 de maio de 2011

Literalmente Decidida

As mulheres, em sua grande maioria, têm a mania de estar numa busca inquietante do homem perfeito. E eles existem? Sim. Mas, não para todas. Um homem de porte viril, honesto, carinhoso, atencioso, calado, apartidário é mais raro do que um filhote de ararinha azul albina. Mas, existe.


Pouco se sabe, é que, com o passar do tempo, essa procura foi se “coisificando”, chegando ao ponto do mulherio fazer opções de produto de mercado. Alerto: falo isso por mim. Encontrar alguém para chamar de meu amor está difícil. Não por ser exigente demais ou por achar que me falta algum atributo, pelo contrário. Já optei por uma sorte de rapazes que transitavam entre o estilo brega ao evangélico, fazendo escala nos metrosexuais, esquizofrênicos e horripilantes. Resultado? Nada.

Por isso, a partir de hoje, impulsionada pela vergonha alheia que senti ao ver aquela moça do Fantástico, desesperada, correndo atrás de contrair um matrimônio a todo custo, digo em alto e bom som que cansei. O que não implica em radicalizar. Se aparecer um alguém, claro que será de bom grado, mas a procura, a caça, a ida pra guerra? Exausta, parei.

E foi nesse processo de “coisificação” que embarquei. Agora, vou me dedicar à literatura. Nela, eu encontro tudo e mais um pouco. Se eu quiser um amor sem limites, acho em vários títulos de Eça de Queiroz. Uma simples paquerinha ou uma noite de azaração em Candace Bushnell. Traição, ou talvez apenas o seu mistério em Machado de Assis e para discutir a relação, são seria com outra pessoa se não com Clarice.

A leitura é, sem sombra de dúvidas, mais do que fantástica. Além de elucidar tantas questões, apresenta muitas vantagens, como: está sempre com você, quando você não tem interesse ou está com dor de cabeça, não reclama se cala e consente. Não fala que sua bolsa é muito grande, até prefere e até acha mais confortável, não se incomoda em ver você com um creme verde abacate no rosto, como também permite que fique o tempo indicado no pote sem fazer careta, nem ri de você.

Quanto ao outro lado, adora longas preliminares, permite desbravar a delicadeza das orelhas sem sentir cócegas e achar ruim, permite o aprofundamento mais íntimo do cheiro das suas páginas. Dorme sem roncar. E o melhor de tudo, não precisa ligar no dia seguinte pois ao despertar, ele - o livro- já te olha sorrindo e pronto para ser devorado mais uma vez

3 comentários:

Anaquim disse...

Além da leitura e da literatura, tem o álcool. O gelol da alma!

6 de maio de 2011 17:01
Bernardo Stamato disse...

Álcool e cachorros também são bons assim.

Mas vida de solteiro é uma merda mesmo! E só depois que cansa, enche o saco, tira dos nervos é que, talvez, a gente acha alguém.

Uma merda, mas é verdade. É necessário se conformar com a solidão para encontrar um amor.

Até lá, a gente lê, bebe e adota um cãozinho.

13 de julho de 2011 02:07
Anônimo disse...

VOÇE PARECE INTERESSANTE TEM BOCA CARNUCA E LINDOS OLHOS...NAO POSSO PROMETER NADA A VOÇE MAIS POSSO ME ESFORÇAR PARA SER UM BOM HOMEM PARA VOÇE...

16 de junho de 2012 23:41
 

©2009Erika Valença | by TNB